QUAL DEMOCRACIA?


Autor: CRÍTICA POLÍTICA BRASIL

A todo instante surgem nos meios de comunicação formais notícias sobre os novos desdobramentos da Operação Lava Jato. Esses fatos, ao que tudo indicam, confirmam reiteradas vezes a quantidade avassaladora de crimes cometidos por diversos personagens, até bem pouco tempo desconhecidos de ampla maioria da sociedade e dos programas policiais. É fato, também, que estes relatos são fundados e extremamente fundamentados em farta documentação policial, entregue, muitas das vezes, por delatores, políticos, ex-políticos, agentes públicos, empresários e advogados.

Importante observar que este mesmo rol de envolvidos já citados contempla personagens que, em diversos casos, também enquadram-se como participantes/cúmplices do esquema criminoso, angariando bens e regalias pessoais, ora a seus partidos políticos de filiação, às suas famílias, compadres ou terceiros. As delações, tal qual prêmio lotérico, organizam-se em um escarcéu de confissões que são, primorosa e meticulosamente, analisadas por nossa Justiça terrena, a desencadear, até o momento que se escreve este artigo, duas dezenas de outras operações policiais.

Até este ponto descreveu-se muito superficialmente alguns fatos desencadeados nesta operação. O aprofundamento não será escopo deste texto, mas sim o que se passa na cabeça doentia de alguns títeres, envoltos em manto regado a óleo de peroba, de esbravejarem nos microfones alheios, que tudo o que foi apurado até agora tem o único e exclusivo intuito de perseguição política aos corruptos, e mais, tudo não passa de UM ATO CONTRA A DEMOCRACIA.

Qualquer cidadão, mediano em inteligência que lê ou ouve estes absurdos escatológicos, deve questionar-se: de qual democracia falam estes ignóbeis?

Restringindo a análise apenas a fato dos mais recentes (novas revelações sobre a compra da refinaria de Pasadena), percebe-se que de democracia estes corruptos de nada entendem, ou entendem o bastante para poder afrontá-la em suas bases vitais mais sólidas, cuja corrosão fragiliza o alicerce moral, econômico, político e cultural de toda uma sociedade.

O fato que se refere é a comprovação, segundo dados da Polícia Federal, de que a operação de compra da refinaria de Pasadena foi realizada sem quaisquer cuidados operacionais, provocando prejuízo tremendo a Petrobrás, além da distribuição milionária de propina, em dólar, a diversos sujeitos ativos dos crimes. Os fatos estão apresentados em jornais de forte abrangência nacional, todos com base em declarações dos próprios órgãos responsáveis pela investigação.

Neste ponto, sem necessitar citar nomes de envolvidos, pois isto cabe à polícia, o cidadão brasileiro se pergunta: que democracia é esta que os criminosos envolvidos blasfemam em proteger, quando na verdade, estes mesmos atuam CONTRA ESTA.

Realizar uma transação suspeita, seja nacional ou internacional, envolvendo valores próximos ao bilhão de dólar, é atentar contra a própria nação; é fazer pouco caso do Brasil e de seu povo; é negligenciar o cuidado com o cidadão de bem, pai e mãe de família, principalmente os mais necessitados e carentes; é retirar comida da mesa do trabalhador; é não investir em saúde e permitir que milhares de cidadãos de bem pereçam em hospitais sucateados; é deixar de investir em transporte público; é deixar de investir em infraestrutura, seja portuária, aeroportuária, rodovias, ferrovias, essenciais ao desenvolvimento de uma nação; é deixar de investir em segurança pública, no combate ao crime, seja este organizado ou não, no combate ao tráfico de drogas; é deixar de investir em educação de qualidade, envergonhando nosso povo nos testes internacionais de qualidade de ensino, ocupando as últimas posições e condenando milhões de brasileiros ao analfabetismo funcional, mesmo após cursar universidade; é deixar de investir em pesquisa, em inovação, em agregação de valor às nossas ricas e quase inesgotáveis commodities; é enriquecer poucos cidadãos brasileiros em detrimento da miséria de tantos outros; é suscitar a criação de impostos, arcados pelo povo, para suportar as contas da corrupção etc. etc. etc.

Em suma: fizer o que fizeram com a Petrobrás o que é senão destruir nossas bases democráticas, envergonhar e maltratar o povo brasileiro, atentar CONTRA A DEMOCRACIA?

Aos envolvidos em todo esse esquema, o povo os pede, encarecidamente: parem de falar em democracia, seja atrás das grades ou não, pois vocês não sabem sobre o que falam! 

Brasil, 16 de novembro de 2015.