A REPÚBLICA NÃO SE PROSTROU


Autor: CRÍTICA POLÍTICA BRASIL

Os constantes e reincidentes ultrajes contra a República Brasileira cometidos, principalmente pelo Partido dos Trabalhadores (PT) nos últimos 14 anos, não foram o suficiente para fazê-la prostrar. Nossa República vergou-se inadvertidamente por mais de uma década, na esperança de que os atos criminosos suspeitos pudessem ser comprovados. Ao soar do primeiro vestígio mais concreto, a República Brasileira reergueu-se novamente, agora com base e pés mais fortes, espada em punho, olhar no horizonte, convicções na alma, alento no coração.

A confusão social preconcebida pela esquerda brasileira nesses últimos anos serviu como peça basilar para a construção esquemática da organização criminosa que assaltou o Brasil. A cisão ideológica esquerdista da sociedade (proletariado versus burguesia; pobres versus ricos; negros versus brancos; heterossexuais versus homossexuais; empregados versus empregadores) alcançou limites inaceitáveis durante o Governo petista, resultando em um caos social. Este caos, sempre atribuído pelo PT a vilão abstrato, imaginário e jamais conhecido, foi essencial para que todos os crimes praticados e desvendados durante estes mais de 15 (quinze) anos passassem desapercebidos pela população brasileira, em geral. Se não fosse a atuação precisa e cirúrgica da Justiça brasileira, o caótico cenário comuno-criminoso continuaria intocado, sob a égide de uma eterna esquerda vitimizada.

Mas não se enganem: a esquerda vitimizada continua e continuará unida, em seus discursos e ações. A aparição de diversos expoentes da esquerda brasileira durante a condução coercitiva de Luís Inácio Lula da Silva à Polícia Federal, no dia de hoje, demonstra concretamente o que se afirmou: a esquerda nacional se unirá, mais fortemente, para manter seu projeto de poder. O discurso unificado de que a investigação em curso na Justiça Federal é um atentado à democracia, é a única saída viável da esquerda para manter a confusão social em vigor. Nestes falatórios, não há qualquer réplica fundada das denúncias e investigações conduzidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. Há tão somente um rebate ideológico atabalhoado, massificado por movimentos sociais, união de estudantes, sindicatos, centrais sindicais, todos extremamente bem forradas com dinheiro público. A mera percepção material de que a Operação Lava Jato traz ordem ao caos, aniquila os planos de perpetuidade da esquerda no poder: em um momento com o PT, em outro, com o PSDB.

Os que ainda se deixam ludibriar pelo enganoso discurso da organização criminosa no poder o fazem por: ingenuidade ululante, ignorância comprovada ou má-fé congênita. A ingenuidade evidente é contornável com educação básica de qualidade, impossível no caos social implantado pelo PT e em seus planos de condução eterna de massa de manobra idiotizada. A ignorância histórico-social é, majoritariamente, a mais difundida na atual composição da sociedade brasileira. Em quantidade surpreendente, milhões de brasileiros desconhecem por completo o intuito final desastroso organizado pela esquerda brasileira, dissimulado em assistencialismo descompensado. Ao final, os sacrificado serão todos os brasileiros, independentemente se ignorantes ou ingênuos. Os de má-fé, por seu lado, serão os primeiros a serem segregados para salvaguardar o projeto de poder.

Na outra ponta desta desordem restam milhões de brasileiros conscientes da realidade que se apresenta, muitos destes alertados pelos reiterados avisos de personagens ímpares em nossa cultura, como o Prof. Olavo de Carvalho. No entanto, mesmo vigorosamente alertados, estes milhões de brasileiros cederam a intenções espúrias de enumeráveis fraudadores da força popular. Neste ínterim, quando se desanuvia o embaço civil em que nos colocaram, conjecturamos um futuro que trafega: (a) na continuidade da Operação Lava Jato; (b) no impeachment da Presidente da República; (c) em Nova Eleição Presidencial ou (d) nas Eleições 2018.

A continuidade da Operação Lava Jato exercerá inestimável influência nos milhões de brasileiros ansiosos por uma retomada do nosso país, não categorizados entre os ingênuos, ignorantes ou os de má-fé. Aos ignorantes de má-fé, resta o desalento dos meios mais nobres encerrando seus fins programados, distantes do louvável. E aqui não se busca criminalizar exclusivamente agremiação A ou B, expoente político A ou B. Deverão ser punidos os que ilicitamente se comportaram perante as normas vigentes. A ampliação das investigações, cabalmente, subirá a amena rampa do Palácio do Planalto, prosseguindo com o segundo impeachment da Nova República. O novo partido a assumir o Governo, enlameado até fios dos cabelos na mesma metodologia corruptora que engana os ingênuos e ignorantes, tentará manter-se no poder até 2018. Mantendo-se, começam-se as articulações político-financeiras para as Eleições 2018. Na impossibilidade de manutenção do atual Governo ou da linha sucessória presidencial obrigatória, nova eleição presidencial, com o mesmo formato dominante da esquerda, sem qualquer ânimo para conservadores e liberais. 

Mas há solução para a tenebrosa conjuntura que se apresenta: a ocupação de espaços políticos por pessoas idôneas, comprometidas com o correto, com a melhor gestão do bem público. Cogitar-se a restrição permissiva para se alcançar postos políticos (como a obrigação de determinado nível escolar para determinados cargos políticos) é inovar desacertando. A realidade é que os cidadãos mais bem preparados é que cedem espaço para que os despreparados ocupem espaços na política. A mudança de realidade perpassa por uma inversão no cenário político atual, em que a exceção será de políticos que não carregam desabonos em sua caminhada pública.

A data de 04 de março de 2016 será escrita com pena de ouro nos livros de História. Inaugura-se nova época em nosso país.

Imensa parcela do povo brasileiro dormirá esta noite confortada, consolada e sob o refrigério da esperança de que a justiça está sendo feita.

Brasil, 04 de março de 2016.

Siga-nos nas mídias sociais: http://facebook.com/criticapoliticabrasil
The gadget spec URL could not be found