FORTALEZA NA LUTA PELA VIDA


Autor: CRÍTICA POLÍTICA BRASIL

T
odo e qualquer instante deve ser considerado como momento singular para se mudar o presente, o único diretamente mutável em seu progresso no tempo, embora sua alteração possa desencadear mudanças indiretas no futuro. O presente cenário político e social brasileiro não poderia ser o mais propício para tentarmos, mais uma vez, reverenciar nosso maior patrimônio: A VIDA. É incoerente que nossa única razão de ser (pois não se pode cogitar ser, sem vida) precise de reafirmação constante. Revolta saber que o silenciar sobre a vida desencadeia o ensurdecer da morte.

Mesmo sob o auspício de uma sociedade dos avessos, em que os principais valores materiais e morais estarão invertidos (se é que não já estão!), a vida humana precisa ser protegida. E quando se fala de vida, não há lugar para categorias variantes deste bem. A vida, em sua completude, indiscutivelmente deve ser protegida, mesmo que aquela não seja socialmente plena, completamente apta ou totalmente capaz, segundo os padrões de normalidade elaborados pelo ser humano. Da mesma forma, a vida dever ser reiteradamente enaltecida, em qualquer oportunidade e espaço social, sejam manifestações, debates, audiências ou marchas.

E é neste caminhar intenso e constante em defesa da vida que Fortaleza receberá mais uma edição da MARCHA PELA VIDA CONTRA O ABORTO. Não diferente de todas as outras edições, a defesa do bebê em gestação tem seu lugar de destaque no evento. Mas não apenas isto: a mulher grávida, que em seu âmago carrega o esplendor humano que se desenvolve, mais uma vez se junta ao bebê em gestação para, em unicidade, serem protegidos, resguardados, defendidos e amparados pela sociedade. As duas vidas, tanto da mãe quanto a do bebê, sem exceção, devem ser valorizadas e amadas, sem qualquer distinção, pois de sua dependência mútua é que se desencadeará o nascimento do bebê e a continuação da humanidade.

A vida, em seu indiscutível e inegociável valor natural, novamente será alçada ao ápice de sua relevância.  As MARCHAS PELA VIDA, como a junção das forças sociais em defesa da vida, vêm a firmar seus propósitos em momento histórico em que as forças em prol do aborto estão se enfraquecendo, dia após dia. Infeliz da nação em que seus homens ainda precisem discutir e despender esforços para proteger este precioso instituto, que em sua natureza, não deveria sequer ser posto à prova. Ainda mais infelizes são os homens que, desrespeitando o desejo de seu povo e de sua nação, se acovardam em suas mal-caratices e lançam o manto da morte sob inocentes seres humanos em gestação.

O momento, como já afirmado, é totalmente propício para que as vozes defensoras da vida se ajuntem novamente, em coro uníssono. Os movimentos que têm, como pano de fundo a morte e a desgraça de nossas crianças e de nossas famílias, mais uma vez apresentam suas garras, na eterna tentativa de descriminalização total do aborto. Já escrevemos neste site sobre a nova ação do movimento pró-aborto, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), na tentativa de descriminalização do aborto nos casos de bebês infectados pelo vírus zika, um dos causadores da microcefalia. 

Não podemos permitir que o avanço do "movimento da morte" prospere. É urgente que todas as atitudes em prol da vida sejam coordenadas e postas em prática, e a MARCHA PELA VIDA EM FORTALEZA é um dos importantes acontecimentos sociais em defesa da vida. Cada ser humano que se perde prematuramente é um combatente a menos na luta contra esta catástrofe social denominada aborto.

Venha também defender a vida!

Brasil, 06 de setembro de 2016.