ÓDIO FEMINISTA


Autor: CRÍTICA POLÍTICA BRASIL

Em tempos modernos de inversão total dos valores morais e de desvirtuamento da normalidade cívica, qualquer fato de somenos importância pode se tornar oportunidade para os que promovem nocivamente a inversão dos tradicionais e milenares valores familiares.

O mais recente fato a que se alude foi uma observação feita em relação à família Temer, especificamente sobre a esposa de Michel Temer, vice-Presidente da República. A notícia foi publica no semanário Veja, que descreveu que a esposa de Michel Temer, Marcela Temer, tinha como entre suas principais características ser “bela, recatada e do lar”. Como afirmarmos, em tempos normais, esta seria uma notícia talvez banal, apenas a preencher lacuna na publicação. Entretanto, em tempos em que impera em nosso Brasil o caos implantado pelo esquerdismo-feminismo, os adjetivos "recatada" e "do lar" não são aceitos por tais grupos radicais.


Em sequência a tais notícias propagadas exponencialmente nas mídias sociais, as feministas (sempre inimigas potenciais do mínimo sinal de paz social) injetaram, em profundidade, seu ódio em todas as mulheres brasileiras que se orgulham de serem recatadas, mães em tempo integral ou louváveis trabalhadoras do lar. As feministas, com sua incoerência originária, ao invés de proteger essa camada social de mulheres que decidem se dedicar ao lar, hostilizam covardemente milhões de mães, avós, bisavós, tias, madrinhas, trabalhadoras domésticas.

As feministas, que tanto zurram em defesa da liberdade das mulheres, que defesa fazem das mulheres que livremente escolhem se dedicar aos seus maridos, esposos, filhos e lares? Não será esta a maior liberdade das mulheres que, dentro do seu poder de escolha e de sua capacidade de decidir sobre a vida, decidem por seguir tal caminho? Que liberdade maior há para mulheres belas, recatadas e do lar que escolhem, em seus lares, realizar tarefa das mais nobres que é zelar por sua descendência, pela continuidade da humanidade, onde por uma aberração da natureza serão geradas novas feministas?

O ataque das feministas não foi apenas a Sra. Marcela Temer. A hostilização foi direcionada a todas as mulheres brasileiras, a todas as tradicionais famílias brasileiras de bem. Todo ser humano tem direito e liberdade de decidir sobre como agir para com seu futuro, desde que não interfira prejudicialmente no futuro dos outros seres humanos. As feministas, quando se comportam desta maneira, desrespeitam os direitos naturais das verdadeiras mulheres brasileiras, prejudicando seu futuro, perturbando sua liberdade de escolher. É livre que a mulher decida se dedicar ao trabalho, ao estudo. No entanto, esta decisão não pode ser estabelecida como regra social.

É inaceitável e inadmissível que a família brasileira continue sendo atacada por grupo radical minoritário, prejudicial à sociedade brasileira. As feministas não têm qualquer prerrogativa, seja legal, seja social, de orientar ou pressionar as mães e mulheres brasileiras a desviar de sua principal, ilustre e sublime missão: perpetuar a espécie humana, zelando para que nossa espécie se perpetue em plenitude.

É obrigação que todas as ex-feminsitas se posicionem pública e contrariamente a tal atentado às mulheres brasileiras, tão mais indefesas quanto mais “defendidas” pelas feministas.

Brasil, 21 de abril de 2016.

Siga-nos nas mídias sociais: http://facebook.com/criticapoliticabrasil
The gadget spec URL could not be found