OS TRÊS SINAIS: DA NOMEAÇÃO À PRISÃO


Autor: CRÍTICA POLÍTICA BRASIL

A semana começou grandiosa. Na manhã do dia 13 de março, Rio de Janeiro, Belém do Pará e Brasília foram inundados por cidadãos brasileiros vestindo verde, amarelo, azul e branco; portando bandeiras do Brasil. Nesta mesma manhã a Frente Brasil Popular tentava intimidar os manifestantes. Sem sucesso. Não havia espaço para os defensores dos indefensáveis. O que se pouco viu foram políticos participando das manifestações, que logo à tarde se espalharam às demais capitais do Brasil. O fim das gigantescas manifestações era o primeiro sinal de ruína do Governo do PT. Cumprida a missão, agora era esperar o desentravar dos Poderes para se fazer a justiça esperada pelo povo brasileiro.

Mas nova notícia surpreende a sociedade: Lula aceita convite para se tornar Ministro do Governo Dilma. Acesa a pólvora, novas manifestações nas ruas, sem qualquer agendamento ou coordenação prévios. Era o segundo sinal do povo ao Governo: a sociedade não aceitará tal afronta. A nomeação de Lula é o AI-5 Petista. O brasileiro, sufocado com todos os males da esquerda, não suportará tal acinte. O ciclo da esquerda acabara, embora nem deveria ter começado. A atrapalhada nomeação de Lula é a clara demonstração de mais um exemplo prático de fracasso na implantação do comunismo.

Mesmo sob novas manifestações contra a nomeação, no dia 16, o ato foi efetivado em cerimônia Quixoteana, no dia seguinte. “Vergonha!”, grita um Deputado. Foi o grito da alma de cada brasileiro ali representado. Lula, o Pablo Escobar brasileiro, tentava tomar de assalto o Brasil, relegando Dilma Roussef à Presidência decorativa. A intenção da nomeação é clara: proteger as barbas de Lula da justiça de Moro; cessar os vigorosos avanços da Lava Jato. O PT ainda não percebeu que a Lava Jato não é mais do Moro, mas do povo brasileiro. A República de Curitiba não poderia mais funcionar. A República dos Lula da Silva não poderia ter concorrência. Tal qual na Colômbia de Escobar, só há um poder: o da corrupção.

A notícia da nomeação de Lula alçou voos internacionais. Novo estopim, ainda no dia 16: áudios da Operação Lava Jato apresentam à nação o Lulinha guerra e rancor! Uma munição derrubou Getúlio. Um Fiat Elba derrubou Collor. Um grampo derrubará Dilma. Dilma não vale um mísero grampo. Lula, com sua grosseria e arrogância, demonstrou ao Brasil sua natureza. Romeu Tuma, se ainda vivo, descreveria sem pestanejar o caráter (ou falta dele!) de Lula. Romeu Tuma Jr. também o sabe. Lá está em seu primeiro e excelente livro, ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES. Também o deve estar em sua segunda obra, homônima da primeira. Os palavrões emitidos por Lula ampliaram a revolta popular. Ampliaram-se as manifestações. Forma-se a Comissão do Impeachment, no dia 17.

Após a nomeação os movimentos pró-Dilma se assanham, entre liminares empossando e desempossando Lula. Chegam as manifestações vermelhas, do dia 18. Em Fortaleza, cada comunista ganhou R$ 70,00 para participar do evento, mais o sanduíche de mortadela e o transporte particular. Do PT, o Prefeito de Guarulhos libera servidores para protesto na Paulista. Na mesma avenida, 80 mil pessoas participam, segundo a Polícia Militar. Na Paulista de todos os sonhos tem show musical. Rui Falcão não contém os risos durante discurso de Lula. Sabe que é tanta mentira e desfaçatez que não consegue esconder as risadas. 

Lula, tal qual taquara rachada, não convence ninguém com seu discurso distante da realidade. Sem mortadela, transporte gratuito e show musical não há quem aguente escutar o ex-Ministro Lula, desempossado por Gilmar Mendes, do STF, na mesma noite das manifestações do PT. Desempossado, será novamente julgado por Sérgio Moro. A tábua de salvação é Lula recorrer ao Pleno do STF. No entanto, normalmente o Pleno do STF só funciona às quintas. Ou seja: Moro tem segunda-feira, terça-feira e quarta-feira para prender Lula. Termina a sumária manifestação do PT. Acabou a brincadeira. Agora é separar os homens dos meninos: é a vez da retomada dos brasileiros de bem. 

O terceiro sinal foi dado: o Governo do PT chegou ao fim! O impeachment é questão de tempo. Temos que nos preocupar agora é com quem vai assumir o poder, para que estes não continuem institucionalizando a corrupção.

Brasil, 18 de março de 2016.

Siga-nos nas mídias sociais: http://facebook.com/criticapoliticabrasil
The gadget spec URL could not be found